Dia das Mães

9 de Maio, 2020

Dia das Mães: conheça mulheres que são verdadeiras heroínas para seus filhos

Muito mais do que uma data comercial, o Dia das Mães é uma oportunidade de olhar para trás e enxergar o tamanho da presença delas em nossa caminhada. Seja como companhia ou inspiração para os momentos desafiadores, exemplos não faltam para revelar o quanto a figura materna é também grande parte do que somos.

Para mostrar quão inspiradora pode ser essa relação entre mãe e filhos, o Portal do Futuro separou uma série de perfis, nos quais filhos se abrem sobre sua relação com as mães. Em comum, a admiração e o reconhecimento por tudo aquilo que essas mulheres representam em suas vidas.

Tecendo fantasias

Dia das Mães: Daniela e Angela Savastano
Dia das Mães: Daniela e Angela Savastano

Para a bióloga Daniela Savastano, a mãe, Angela Savastano, cientista social e especialista em cultura popular, faz de sua vida uma grande teia. Nela, ela tece sem pressa suas redes invisíveis que vão conectando pessoas e saberes. 

Folclorista premiada, Angela é uma das personalidades mais influentes de São José dos Campos, cidade onde é reconhecida por ser talvez a principal entusiasta da cultura regional. Seus feitos certamente dariam um livro. Mas para Daniela, o que está registrado em sua memória afetiva é a figura materna.

Caçula de sete filhos, Daniela conta que tem com Angela uma relação marcada pelo afeto e pela fantasia com a qual a mãe, contadora de histórias, sempre temperou seus momentos juntas. 

“Nossa casa dava vista para o Banhado, e tenho uma memória forte dela chamando a gente para ver a chuva ou o pôr do sol. Ela sempre enxergou o divino na natureza. Aliás, me formei em biologia por esse estímulo dela. Ficávamos lá, conversando e vendo as mudanças nas cores da Serra da Mantiqueira”, diz.

Mãe de dois filhos – João, 14 anos, e Lorena, 10 –, Daniela leva para sua experiência materna o mesmo amor que sempre foi uma constante em seu relacionamento com a mãe. “Tento ser com meus filhos essa mãe das coisas abstratas, mágicas, da vida. Como contadora de histórias, minha mãe estimulava muito essa magia na gente. Também me inspiro em sua autêntica curiosidade em enxergar o outro, sua humanidade”, diz.

Daniela também reforça a coragem da mãe ao incentivar os filhos a encarar os desafios impostos pela vida. “Ela foi a maior incentivadora para que eu aceitasse a proposta de trabalhar na Amazônia, em uma cidadezinha que nem está no mapa. Eu a ouvi e foi uma das experiências mais incríveis da minha vida”, afirma.

Negócios em família

Dia das Mães: Ana Clara Claudia Montez
Dia das Mães: Ana Clara Claudia Montez

A relação entre a jornalista Ana Clara Montez e a mãe, Claudia Montez, extrapolou a convivência em família e chegou aos negócios. As duas fundaram juntas o Cumbuquinhas, que nasceu como um blog de culinária, para depois se tornar um empreendimento gastronômico. 

A ideia nasceu como uma ajuda da filha, que criou o blog para que mais pessoas tivessem acesso às receitas da mãe, que sempre fizeram sucesso dentro de casa. A cozinha, aliás, é um ambiente onde Ana aprendeu com a mãe lições sobre força, organização e empenho.

“Desde que me entendo por gente, minha mãe e cozinha estão intimamente ligadas. Nesse ambiente ela me ensina muita coisa. Por exemplo, vejo o amor que ela coloca em cada receita, sua determinação, praticidade. Muito da personalidade dela está em como ela lida com a cozinha. Ela tem a capacidade de fazer uma receita sofisticada, partindo de poucos ingredientes, numa questão de minutos. Isso é maravilhoso”, afirma.

Ser sócia da própria mãe, que hoje mora nos Estados Unidos, é uma experiência diferente. Mas Ana acredita que o amor incondicional entre as duas se mantém intacto.

“Não existe sociedade fácil. Sempre cada uma tem uma visão diferente, o que também é bom porque ajuda o negócio a crescer. Mas a vantagem é que a gente sabe que o amor que sentimos uma pela outra está acima de qualquer coisa”, diz.

Encontro de gerações

Dia das Mães: Renata e Marli Almeida
Dia das Mães: Renata e Marli Almeida

Para a consultora de imagem e estilo Renata da Silva Paula, a relação com a mãe, Marli Almeida, é um encontro entre diferentes valores e gerações. O que poderia ser motivo para conflito, no entanto, se transforma em respeito e aprendizado.

“Minha mãe engravidou de mim com um pouco mais de idade. Então, a nossa diferença é grande. É uma mãe tradicional e eu tenho um comportamento mais moderno. Mas nossa relação é de muito respeito. Eu respeitando seu lado mais conservador, e ela respeitando também minhas questões. Assim fomos criando uma confiança mútua e um amor que é só nosso”, afirma.

Além do respeito entre as duas, outro ponto que a consultora destaca é a disposição da mãe. Ela afirma que ainda está para ver dona Marli desanimada ou cansada dos afazeres.

“Nada derruba essa mulher. Eu me inspiro muito nessa força dela. Mas talvez o que eu mais aprenda com ela seja o gosto pela simplicidade. É inspirador como ela se comove com as coisas corriqueiras da nossa relação em família, como um almoço trivial, um passeio. Acho que isso é um aprendizado para a vida.”

Superação na maternidade

Dia das Mães: Jaciara e os filhos
Dia das Mães: Jaciara e os filhos

Jaciara Vieira Rodrigues, 37, que vive em São José dos Campos, é uma entre as várias mulheres inspiradoras ao redor do mundo. Mãe desde 2006, sempre deu aos seus dois filhos muito carinho e amor materno.

Adotada pela tia ainda quando era um bebê, Jaciara cresceu em Imperatriz, no Maranhão, e perdeu a sua mãe adotiva aos 14 anos. “Ela sempre cuidou de mim e, de repente, era eu que precisava cuidar dela. Ela dependia de mim para tomar banho e para comer. Essas coisas me fizeram amadurecer muito cedo. Quando ela morreu, fiquei sem chão”, diz.

Depois de perder a mãe, Jaciara se viu desamparada e mudou-se para Goiânia, ainda na adolescência. Chegou a passar noites na rodoviária da capital até conseguir um emprego. Lá, conheceu o homem que viria a ser o pai de sua primeira filha e, com ele, veio morar em São José dos Campos. 

A notícia da gravidez veio em um momento difícil para o casal, que se separou, e Jaciara se dedicou exclusivamente à filha. “Ele estava envolvido com coisa pesada. Me separei e ele acabou fugindo de toda a responsabilidade. Mas com a ajuda da mãe dele, consegui criar a minha filha. Foi muito difícil, estávamos desempregadas e, às vezes, não tínhamos o que comer. Mas o amor sempre motivou a gente. Costumo dizer que a minha filha teve duas mães.” 

Jaciara se casou novamente e, com o atual marido, teve o segundo filho. Ela diz que um de seus maiores desafios é educá-los para que valorizem a vida. “Algumas pessoas acham que eles ainda são muito jovens para entender, mas eu perdi minha mãe aos 14 anos, que é a mesma idade que minha filha mais velha tem hoje. Quero ensiná-los a ter independência pois, se eu faltar hoje, irão saber como se virar”, diz. 

Sobre o Dia das Mães, Jaciara faz um alerta. “Irei passar a data em casa com os pequenos, assistindo a filmes e comendo coisas gostosas. Mas para quem está longe da mãe, pense que em breve tudo isso irá passar, e poderemos dar beijos e abraços novamente.”